quinta-feira, 6 de setembro de 2012

cuide bem do seu amor

O relacionamento amoroso vivido por um casal é uma delícia.
Se tudo vai bem, sentimentos de admiração, respeito, alegria, satisfação, carinho, desejo, bem-estar, bem-querer, tesão, amor vão brotando e se aprofundando. Um grande e verdadeiro amor faz de quem o sente uma pessoa melhor. Mais que isso, um grande e verdadeiro amor faz esta pessoa melhor querer se aproximar cada vez mais de sua melhor versão. É um crescente.

Mas o relacionamento amoroso vivido por um casal não é fácil.
Nem sempre tudo vai bem. E às vezes sentimentos de mágoa, raiva, impaciência, distanciamento brotam. O negócio é observá-los sem permitir que se aprofundem. Duas pessoas plenas de amor ainda são duas pessoas imperfeitas. Porém, mais que isso, duas pessoas plenas de amor são capazes de transformar sentimentos não construtivos em experiências de conhecimento mútuo e desenvolvimento da relação.

O amor exige cuidados. E no corre-corre da rotina é possível que nos desatentemos deles. Por isso, é bom fazer de alguns carinhos um hábito tão cotidiano quanto escovar os dentes. Tenho pensado sobre:
- preservar o parceiro: se você tem críticas a fazer, faça a ele não aos outros; fazendo a ele há chance da interação entre vocês evoluir, fazendo aos outros você apenas expõe seu companheiro e sua relação;
- ser sempre educado e gentil: já reparou que quando a gente tem intimidade demais com uma pessoa se sente a vontade para ser explosivo, até rude, com uma desculpinha de autenticidade? Não façamos. Ser carinhoso com seu amorzinho é bom e faz bem.
- evitar agir com impulsividade: ser precipitado geralmente não traz bons resultados. Você não vai se transformar em um robô e, como consequência, deixar seu relacionamento cair no tal do sempre conforme o planejado. A idéia aqui é apenas evitar o arrependimento com a simples medida de refletir um pouquinho antes de falar ou fazer algo que possa vir a magoar seu bem (ou até você mesmo).
- resolver as diferenças o mais rápido possível (esta foi dica do sogro no dia do noivado): surgiu um problema? Resolva. Não, não precisa ser de cabeça quente, no calor da emoção - isto iria de encontro ao último conselho que considero muito válido. Mas assim que baixar a pressão, se aproxime, peça desculpas (é bem melhor ser feliz que estar certo), faça carinho, faça paz. Não fique remoendo. A relação não ganha nada com isso.
- fazer sexo regularmente: mantém a conexão e a paixão em alta. Além de ser bom demais, vamos combinar, né? Bem, eu espero que todas as duas pessoas deste mundo que resolvam se casar gostem demais de furunfar uma com a outra. Aproveita que ele(a) dorme ali na mesma cama todo dia e... Às vezes, troque de cama, troque de lingerie, surpreenda com velas, cheiros, massagens. Mas ainda que não dê para fazer nada novo, faça o velho e bom amor.

Alguém dá mais?

Um comentário:

  1. Meus tios deram o mesmo conselho no dia do casório: nunca durmam sem resolver as diferenças. Bom, tem 15 dias da celebração mas 1 ano e meio de casamento na prática, e acho que esse é um dos motivos que não deixa a gente mal um com outro. Resolver os problemas as soon as posible é fundamental.

    Uma coisa que a gente faz questão de manter é um tempinho só pra gente. Os dois trabalham, estudam, saem com os amigos, mas pelo menos 1 vez na semana rola o momento só nosso. Aquele da surpresa, do jantar, do vinho, do perfume, da lingerie, da roupa legal dele, das palavras ao pé do ouvido... Também acho que isso faz toda a diferença. Não deixar que o relacionamento caia na rotina, sabe?

    Pra mim é importante também saber ceder. Estar disposto a se doar, a ser flexível. E quando você ama parece que isso nem dói. É natural :)

    Chega de devaneios.

    Beijo!




    ResponderExcluir