quinta-feira, 27 de setembro de 2012


Se alguém me dissesse, há uns cinco anos, que em um momento da minha vida eu passaria 365 dias preparando uma festa de casamento e que, em cada um desses 365, eu passaria 24 horas pensando no assunto, eu responderia: PIROU!
Mas quem pirou fui eu. Percebi ontem. Acordo, durmo e sonho com casamento, em cada um dos seus detalhes. Um dia é a papelaria, no outro as flores, daí vem as lembrancinhas e depois... Estou curtindo. Acontece que ontem o negócio chegou num ponto que me aborreceu. Além e muito pior do que viciada, estou chata. Imperdoável: chata com o meu amor.
Já tinha lido sobre o fenômeno bridezilla e as tantas brigas que ocorrem entre os casais neste período. Não acho que cheguei a este ponto, mas estava me aproximando. Daí Deus, meu brother, não me faz vir parar em São Paulo para um curso e achar um hostel spa na região? Pois fez.
Ofurô, drenagem, argila, detox, sauna, jantar light. E cá estou eu molinha, tranquila, pronta pra dormir depois de ligar pra casa super doce.
Numa vibe paulistana, fica a dica pra mim e pras colegas passando pelo mesmo momento: relaxa e goza.
Não é que vai dar tudo certo. Já deu! Eu achei o meu amor!

Um comentário:

  1. MUITA calma nessa hora. As brigas vêm mesmo, a gente fica insuportável, se odiando por ser tão idiota. É difícil não pensar 24 horas no casamento, mas tente manter aqueles momentos só vocês dois, sem falar do assunto. Só curtindo o amor, sem misturar as coisas. A festa, a celebração, o ritual existirão por vontade de vocês. O amor já tava aí. Dê espaço só pro amor.

    Beijoca

    ResponderExcluir