segunda-feira, 29 de abril de 2013

Soneto 116, duas traduções e um vídeo


By William Shakespeare

Let me not to the marriage of true minds
Admit impediments: love is not love
Which alters and it alteration finds
Or bends with the remover to remove.
O, no! It is an ever-fixed mark,
That looks on tempests and is never shaken,
It is the star to every wandering bark,
Whose whort's unknown, although his heith be
/taken;
Love's not Time's fool, though rosy lips and
/cheeks
Within his bending sickle's compass come;
Love alters not withi his brief hours and weeks
But bears it out even to the edge os doom;
If this be error, and upon me proved,
I never writ, nor no man ever loved.

* * *


Não tenha eu restrições ao casamento
De almas sinceras, pois não é amor
O amor que muda ao sabor do momento,
Ou se move e remove em desamor.
Oh, não, o amor é marca mais constante
Que enfrenta a tempestade e não balança,
É a estrela-guia dos barcos errantes,
Cujo valor lá no alto não se alcança.
O amor não é o bufão do Tempo, embora
Sua foice vá ceifando a face a fundo.
O amor não muda com o passar das horas,
Mas se sustenta até o final do mundo.
Se é engano meu, e assim provado for,
Nunca escrevi, ninguém jamais amou.

* * *

"De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora,
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou" 

* * *

Tammy + Simon :: Sonnet 116 from bliss* productions on Vimeo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário